O Brasil é um país tropical e bastante quente o ano todo, e nossos pets podem sofrer com esse calor. Confira nossas dicas para cuidar do seu pet em dias quentes.

Ah! Nosso país tropical

Vivemos em um país onde mesmo quando o verão acaba e chegam as estações mais frias, continuam aparecendo dias muito quentes, então é preciso ficar sempre atento para nossos pets não sofrerem com o calor. Preparamos alguns cuidados simples que podem ser postos em prática no verão e fora dele.

Hidratação

O mais básico dos cuidados é justamente a hidratação. Ofereça bastante água fresca ou gelada ao seu peludo durante o dia, especialmente durante passeios e no intervalo de brincadeiras. Você também pode oferecer água de coco ou sucos (lembrando que carambola e uva são tóxicos ao seu pet).

Hidratação divertida

Muitos cães, e alguns gatos, adoram chupar gelo no calor e se divertem com a pedrinha escorregadia, se você nunca ofereceu uma pedrinha de gelo ao seu pet, considere essa opção. Para deixar essa opção ainda mais saborosa, você pode congelar suco de frutas (e ainda adicionar alguns pedacinhos da fruta) para oferecer ao seu pet.

Atenção redobrada ao relógio

Nada de passear, brincar, expor seu pet ao sol nos horários mais quentes, inclusive não é recomendado aos humanos se expor ao sol forte entre as 10 e 15 horas. Lembre-se que seu pet não possui a mesma capacidade de eliminar o calor que você (você pode não gostar, mas ficar todo suado é muito útil aos humanos) e pode sofrer bastante com o calor. Ao sair para passear com o pet, confira especialmente a temperatura do solo para não queimar os coxins (almofadinhas) das patinhas do seu cachorro.

Sozinho no carro? Nunca!

Em hipótese alguma deixe seu cachorro ou gato sozinho no carro, nem que por apenas alguns minutinhos, ou com janela aberta, ou com ar condicionado ligado. Mesmo com as janelas abertas a temperatura do seu carro pode subir até 5 graus em pouco tempo, o ar pode desligar sozinho ou inúmeros outros imprevistos podem acontecer com seu peludo no tempo que não está sob sua proteção. Não faltam casos documentados de complicações com animais e crianças deixadas sozinhas em carros e certamente você não quer entrar para essas horríveis estatísticas.

Protetor solar

Sim, os pets devem usar protetor solar (próprio para pets) e já falamos sobre isso aqui. Especialmente aqueles de pelo curto ou mais claro. Dê atenção especial para as áreas com menos pelos, como orelhas e ao redor dos olhos.

Não exija muito do pet

Faça exercícios e brincadeiras moderados com seu cão ou gato e respeite quando ele começar a mostrar desconforto com o calor. Ofereça bastante água e descanso à sombra durante passeios e nos intervalos das brincadeiras.

Tchibum!

Nadar é uma ótima atividade para os cães (e alguns gatos que gostem) e se você tem piscina, parques ou praias que permitam animais é uma ótima forma de recreação e fugir do calor. Sempre esteja próximo ao seu peludo e o ensine a só entrar na água se estiver com você. Uma ótima opção extra de segurança são os coletes de flutuação para pet, que estão chegando ao Brasil.

Caso você não tenha como levar seu pet para nadar, existem outras alternativas, como piscininhas infantis, grandes bacias e etc., dependendo do porte do seu pet. São opções onde seu peludo não corre o risco de se afogar e podem se refrescar um dia muito quente.

Atenção aos braquicéfalos

Raças de focinho curto, como pugs, bulldog francês e inglês e gatos persa são mais sensíveis ao calor e merecem ainda mais atenção dos tutores nessa época. Lembrando que os cães braquicéfalos devem evitar a natação (e raramente são bons nadadores por sua anatomia), então busque outros meios de refrescar o pet.

Cuidado

É comum que nesses períodos de calor o pet seja mais atacado por ectoparasitas, como pulgas e carrapatos. E caso você vá levar o pet para passear na praia, parques e etc. é importante tratar o animal contra parasitas internos também, especialmente vermes.

Banho e tosa

É possível ajudar a suportar o calor apenas mudando o visual do pet um pouquinho. Assim como nós tomamos mais banhos e preferimos cortes de cabelos mais curtos durante o verão, seu pet pode se beneficiar dos mesmos cuidados. Mantenha uma tosa mais curta no seu pet, se possível, mas sem exageros, a ausência demasiada de pelos pode expor o pet ao sol de maneira tão ruim quanto o excesso de pelos pode piorar o calor. O mesmo vale para os banhos, é bom aumentar a frequência dos banhos do seu pet, porém vigiar a possibilidade de irritação e alergias na pele.

Os sinais do calor excessivo

Um pet que esteja começando a ser afetado demais pelo calor vai demonstrar isso e é importante que o tutor esteja atento a esses sinais. Salivação excessiva, dificuldades para respirar, prostração (não querer fazer nada), não querer comer ou beber água são sinais de alerta. Um animal muito ofegante (especialmente gatos), fraqueza muscular, prostração ou total inquietação, vômitos, língua e mucosas azuladas ou acinzentadas são sinais mais graves de choque térmico, que podem evoluir para convulsões e desmaios. No aparecimento desses últimos sinais, coloque sacos de gelo no pet (especialmente na região da barriga e axilas) e leve o pet à um hospital veterinário rapidamente.

Agora aproveite o solzão!

Agora que você já sabe como cuidar do pet no calor, aproveite os dias lindos de sol que temos o privilégio de desfrutar em todas as épocas do ano. E você, tem alguma outra maneira criativa de aliviar o calor do seu pet?

Comments

comments